Segurança debatida na reunião de Viena

 

Frantisek Laurinec

A UEFA, a União Europeia e outros intervenientes enfatizaram o forte compromisso para garantir a segurança nos estádios de futebol, numa conferência em Viena.

 

A Conferência Anual UEFA & Think Tank UE (União Europeia) sobre Segurança na UEFA Champions League e na UEFA Europa League realizou-se ontem em Viena.

 

Mais de 300 profissionais dos clubes apurados, os seus homólogos da polícia, proprietários de estádios, bem como membros das federações que compõem a UEFA e órgãos governativos reuniram esforços com o objectivo de fornecer uma plataforma única para debater assuntos operacionais e responsabilidades para a nova época de competições da UEFA.

 

O tema da conferência deste ano foi "Aumentar o Nível – melhorar as operações nos estádios e segurança".

 

Na abertura da conferência, a mensagem transmitida por František Laurinec, presidente do Comité de Estádios e Segurança da UEFA e membro do Comité Executivo da UEFA, foi a de que a segurança está em primeiro lugar. "Sobrepõe-se a todos os outros aspectos da organização de jogos. Adoptar medidas preventivas é a melhor forma de intervir, juntamente com regulamentos sensíveis baseados em experiências reais. No que toca à segurança, devemos sempre tentar fazer melhor, desenvolvendo boas práticas em harmonia com uma sociedade em constante mutação."

 

A mensagem da Presidência da UE foi igualmente forte. Loucas Louca, ministro da Justiça e Ordem Pública do Chipre, enfatizou a natureza crucial do trabalho de equipa, detalhando que o benefício é mínimo quando se olha apenas para o que uma pessoa fez ou não fez. Os verdadeiros benefícios encontram-se na troca aberta e honesta de informação. "Não devemos esquecer que estamos a salvaguardar a vida das pessoas. Não há espaço para relaxamento ou uma cultura de culpa – só poderemos evoluir através da partilha e apoio."

 

Michael van Praag, presidente do Comité de Competições de Clubes da UEFA e membro do Comité Executivo da UEFA, comentou: "É nossa responsabilidade trabalhar juntos para impulsionar a mudança e criar o ambiente mais seguro possível para o futebol. Mesmo para estádios novos, só podem ser seguros quanto as pessoas que neles operam. É a combinação subtil da experiência física e pessoal que conta para tudo e produz os melhores padrões de segurança."

 

A UEFA adoptou esta teoria ao longo da conferência deste ano, referindo-se aos "Factores P&S" – que definem os dois principais componentes na equação geral de segurança. O Factor-P está relacionado com o estado da infra-estrutura do estádio, enquanto o Factor-S prende-se com a qualidade actual da gestão do estádio. Uma sessão especial co-organizada pela EVMI e pela ESSMA, que contou com a participação de proprietários de estádios e operadores, abordou esses assuntos. O desfecho deste workshop vai levar ao desenvolvimento de um guia de boas práticas da UEFA durante os próximos meses.

 

A conferência prosseguiu numa toada prática, incluindo uma análise global sobre os incidentes ocorridos na edição 2011/12 da UEFA Champions League e da UEFA Europa League. Isto permite um melhor entendimento da extensão e variedade de incidentes que ocorreram, e significa que as respostas podem ser avaliadas e melhoradas.

 

Seguiram-se "workshops" interactivos, criados para provocar e estimular o debate sobre assuntos de segurança. O conteúdo dos workshops baseou-se em eventos específicos que aconteceram durante jogos do UEFA EURO 2012, da UEFA Champions League ou da UEFA Europa League. Foi utilizada montagem em vídeo para espoletar a discussão sobre tópicos como a necessidade da presença policial no interior dos estádios, o papel de polícias e "stewards", bem como as condições necessárias para operações de estádio efectivas e integradas. Moderadores da UEFA e do Think Tank UE conduziram as conversas.

 

O grupo também assistiu a apresentações de Joyce Cook, directora do Centro para Acesso ao Futebol na Europa (CAFE), sobre o Guia de Boas Práticas Acesso para Todos, sublinhando a importância do acesso fácil e conforto para pessoas com deficiências. Piara Powar, director-executivo do Futebol Contra o Racismo na Europa (FARE), destacou a política de tolerância-zero que deve ser adoptada em relação à descriminação racial.

 

Gianni Infantino, secretário-geral da UEFA, também destacou o valor da união, pedindo a todos os presentes para influenciarem, investirem e dedicarem-se cada vez mais a aumentar o nível de exigência de segurança. "Posso assegurar a todos os nossos parceiros que a UEFA vai continuar totalmente empenhada em apoiar os vossos esforços. Comunicação e transparência são vitais. É pelo facto de gostarmos de futebol que devemos trabalhar em conjunto para impedir a minoria que tenta causar um impacto negativo no nosso desporto."